Buscar
  • Talita Barbi

Mentalidade do Enfermeiro Empreendedor

Você tem observado uma crescente vontade dos enfermeiros em empreender?

Recebi recentemente dois convites para falar em eventos de empreendedorismo, o que me deixou muito feliz e durante as discussões foi importante falar sobre a mentalidade desse perfil de profissional.

A graduação não prepara o enfermeiro para ter seu próprio negócio, e ainda bem na minha percepção. Se for para ser assim deve-se mudar o nome do curso. O curso tem a responsabilidade de preparar profissionais para, resumidamente planejar, implementar o cuidado e gerenciar uma equipe.

A primeira coisa que o enfermeiro precisa trabalhar na sua mentalidade para empreender é se desprender de responsabilizar ao outro pela sua capacitação. Empreendedores vão em busca da sua tribo e da sua aprendizagem.

No meu trabalho como coach de carreira e através do perfil profissional do Instagram tenho contato e interação com centenas de enfermeiros diariamente e é nítido a busca de receitas fáceis de sucesso. Caso você esteja lendo este artigo e se identifica com as questões acima, digo que empreender não é para você!


A imagem abaixo é do relatório da GEM (Global Entrepreneurship Monitor) Brasil 2019, uma pesquisa realizada anualmente para avaliar o comportamento das variáveis relacionadas ao empreendedorismo no Brasil. Ela mostra os principais motivos que fazem o brasileiro iniciar um negócio próprio.

Na breve enquete que realizei aqui no LinkedIn, o resultado obtido foi:

  • 60% - propósito maior

  • 32% - ganhar mais

  • 4% - pouca opção de trabalho

  • 4% - nunca pensou em empreender.

Confesso que me surpreendi, pois pensei que estaria associado à insatisfação com a área ou necessidade de aumentar a renda. Mas observem que interessante, propósito maior teve mais votos. Será quem esse resultado está relacionado à origem da nossa profissão?

É lindo ver a enfermagem descobrindo novos caminhos. E para ter sucesso nessa empreitada é preciso desenvolver novas habilidades e mentalidade.

Fazendo uma associação com o resultado acima, o primeiro ponto que quero ressaltar são as crenças que a área carrega. Desde o início da profissão, lá ainda no tempo da Florence, a enfermagem tem sido vista como uma profissão essencialmente de cuidar. E antigamente, quando ainda não era uma ciência, era um ato de caridade...

Carregamos que enfermagem é amor, e amor se cobra? Amor tem preço? Amor se vende num catálogo? Para empreender é preciso se libertar de crenças relacionadas ao dinheiro e à vendas.

Enfermeiros precisam começar à dar valor ao trabalho dos outros para ter a sua empresa valorizada. Esse profissional, falando em palavras bem diretas, acha muito caro fazer um curso onde vai aprender nova habilidade, mas acha barato deixar o salário em shopping por exemplo.

Na palestra que dei, perguntei aos alunos quais habilidades eles acreditam ser necessárias desenvolver e gerei uma nuvem de palavras, veja na imagem a seguir:

Sim, são infinitos conhecimentos... O enfermeiro deixa de ser técnico para ser planejador e criador. O empreendedor estuda todos os dias, não folga final de semana nem feriados, pois o negócio depende dele (principalmente no início)! E fim da glamorização da vida de empresário! Atentem para o que a mídia pode estar te vendendo...

Para mim, as top três de importância são no quesito competência para empreender são:

  • resiliência

  • comunicação

  • estratégia

Cada empreendedor vai com o tempo criando e modificando sua lista. E para finalizar, eu deixo a seguinte mensagem: esteja junto com pessoas que estão onde você gostaria de estar um dia... é mergulhado nesse tipo de mentalidade que vai desenvolver cada vez mais a sua.

28 visualizações0 comentário